sábado, 10 de novembro de 2012

A extrema corrupção nos últimos tempos (3)


Por João Paulo Souza


Dando continuidade à nossa série de posts sobre 2 Tm 3.1-5, falaremos agora a respeito da falta de afeto natural, dos irreconciliáveis e dos caluniadores, ou seja, sobre mais três características que assinalam a humanidade atual. Para tanto, como das outras postagens, dividiremo-las em três tônicas, respectivamente.

"Sem afeto natural". Aproveitando a considerável importância dos comentários do saudoso teólogo Donald C. Stamps, transcreveremos um trecho de sua abordagem sobre  a deturpação afetiva a qual presenciamos nos dias atuais:

"Esta expressão [sem afeto natural] pode ser traduzida "sem afeto à família", e refere-se ao desaparecimento dos sentimentos de ternura e amor naturais; falta esta demonstrada por uma mãe que rejeita os filhos, ou mata seu bebê; por um pai que abandona sua família, ou os filhos que negligenciam os devidos cuidados para com seus pais idosos... Os homens e mulheres passarão a amar idolatradamente o dinheiro e os prazeres, e estarão sempre em busca disso para satisfação de seus desejos egoístas... Pais amorosos darão lugar, cada vez mais, a pais egoístas e desumanos que abandonarão seus filhos [cf. Sl 113.9; 127.3-5; Pv 17.6; Tt 2.4, 5; ver 2 Tm 4.3, 4, nota]" (Bíblia de Estudo Pentecostal, CPAD, 2007, p. 1881, grifo nosso).

Na tradução das Escrituras na versão da Nova Bíblia Viva, para a expressão "sem afeto natural", está assim: "Serão duras [muitas pessoas] de coração" (grifo nosso). Ter um coração "duro" quer dizer possuir um coração petrificado pela insensibilidade aos sofrimentos e necessidades alheios. Será que não é o que está acontecendo em nossos tempos?

"Irreconciliáveis". O termo reconciliável significa "passível de se reconciliar", isto é, "estabelecer a paz entre; fazer as pazes, congraçar(-se), harmonizar(-se), conciliar(-se)" (Houaiss). Ao passo que a palavra irreconciliável, obviamente, aponta para o contrário disso (Rm 1.31). Qualquer pessoa que não fomenta o perdão sincero ou não deseja reconciliar-se com o próximo, segundo a Bíblia, está em pecado e morta para Deus (Rm 8.6).

"Caluniadores". Esta expressão ressalta "uma afirmação maliciosa intencional que visa prejudicar a pessoa sobre quem foi dita. A Bíblia frequentemente adverte contra a calúnia ou o falso testemunho [Ex 20.16; Lv 19.16; Ez 22.9; Ef 4.31; Cl 3.8; Tg 4.11]" (Dicionário Bíblico Wycliffe, CPAD, 2006, p. 346). "A palavra hebraica assim traduzida significa 'vagar como um difamador' (Sl 15.3). Uma outra palavra hebraica é usada de uma maneira semelhante para descrever o falar maledicente [Pv 25.23]" (Ibid. p.346).

No próximo post falaremos sobre "incontinência, crueldade e sem amor para com os bons". Até lá!

Nenhum comentário: