sexta-feira, 22 de junho de 2012

O Espírito Santo e a santificação do homem


"Na regeneração, o Espírito Santo efetua uma mudança radical na alma, concedendo-lhe um novo princípio de vida. Mas isso não significa que os filhos de Deus sejam imediatamente perfeitos. Permanece a debilidade hereditária adquirida; e ainda falta vencer o mundo, a carne e o Diabo.

Uma vez que o Espírito não opera magicamente, mas de uma maneira vital e progressiva, a alma é renovada gradualmente. A fé deve fortalecer-se por meio de muitas provas, e o amor deve fortificar-se para sobreviver à dificuldade e à tentação. As seduções do pecado precisam ser vencidas, e as tendências e os hábitos devem ser corrigidos.

Se o Espírito de Deus operasse um só ato e depois se retirasse, o convertido, indubitavelmente, voltaria a seus antigos caminhos. Mas o Espírito continua a boa obra que começou. O evangelho, que foi o que operou o nosso novo nascimento, continua a operar o nosso crescimento na vida cristã. Aqueles que nasceram pela semente incorruptível da Palavra de Deus (1 Pe 1.23) devem, como crianças recém-nascidas, desejar 'de coração o leite espiritual puro, para que por meio dele cresçam para a salvação' (1 Pe 2.2). O Espírito Santo também age diretamente sobre a alma, produzindo essas virtudes especiais do caráter cristão conhecidas como o fruto do Espírito (Gl 5.22, 23).

A operação do Espírito é progressiva, indo 'do coração para fora, do interior para o exterior, da essência da vida para as suas manifestações, suas ações e suas palavras. Essa operação tolera, no princípio, muitas coisas incompatíveis com sua natureza divina, mas logo, pouco a pouco, ataca essas falhas, uma após outra, ora estas ora aquelas, entrando nos mínimos detalhes de modo tão cabal que, não podendo escapar à influência do Espírito, um dia esse homem será perfeito, glorificado pelo Espírito e resplandecente com a vida de Deus'."[1]
 _______________________
[1] PEARLMAN, Myer. Conhecendo as Doutrinas da Bíblia. Rev. e atual. São Paulo: Editora Vida, 2006, pag. 307, 308.

Nenhum comentário: